O Fórum INESC TEC do Outono é uma iniciativa anual que visa promover um espaço de discussão de temas de grande interesse para o País, quer do ponto de vista da economia quer das políticas públicas, em particular aqueles que são fortemente influenciados pela ciência e tecnologia. O objetivo é juntar individualidades nacionais e estrangeiras capazes de dar contribuições relevantes nas áreas em discussão, colocando em confronto a sociedade civil, os agentes económicos, as entidades públicas, bem como o sistema nacional de ciência e ensino superior, na procura de caminhos de valorização do conhecimento e qualificação dos recursos humanos, visando um país mais coeso, mais desenvolvido e mais competitivo.

O Fórum INESC TEC do Outono teve a sua primeira edição em 2015, inserido na comemoração dos 30 anos do INESC no Porto e teve espectro amplo, abordando 4 temas de grande interesse para o País e onde a ciência e a tecnologia têm um importante papel a desempenhar: Saúde, Mar, Energia e Indústria.

Na sequência desse primeiro evento foi decidido passar a realizar o fórum anualmente, mas numa perspetiva mais concentrada à volta de um tema, pelo que em 2016 o Fórum INESC TEC do Outono versou a indústria, sob o título “A Fábrica do Futuro: que caminhos para a indústria no Séc. XXI?”, em 2017 teve como tema a “Engenharia Oceânica: desafios e oportunidades” , em 2018 versou “As empresas que fazem o digital; as empresas que o digital refaz” e, em 2019, em colaboração com o INIAV, “A (R)evolução digital no agro-alimentar e floresta”.

O Fórum INESC TEC do Outono ocorre num ano em que se comemoram os 35 anos do INESC no Porto e  será dedicado às questões da interação das tecnologias e, em particular, da Inteligência Artificial, com a Saúde, numa realização conjunta do INESC TEC e do ISPUP. 

Esta é uma temática de grande importância, com enormes desenvolvimentos nos tempos recentes e que ganhou especial notoriedade com a presente crise pandémica. 

Esta mesma crise pandémica obriga-nos a uma modificação do modelo do Fórum, que se realizará com uma audiência presencial muito reduzida (embora os elementos do painel de discussão estejam em palco) e visará, sobretudo, um público que acompanhará remotamente o evento, esperando contudo, que, apesar destas alterações, se mantenha o interesse e o impacto que o Fórum tem gerado nas suas edições anteriores.