Programa | Local | Organização

 

 

 

 

 

 

António Murta

António Murta é Managing Partner, Co-Fundador e CEO da Pathena. António Murta é, adicionalmente, Membro Não Executivo do Conselho de Administração de duas empresas participadas pela Pathena e Assessor do Conselho de Administração de várias empresas.

António Murta é licenciado em Engenharia de Sistemas pela Universidade do Minho, detém um MBA pela Porto Business School (Universidade do Porto) e um AMP pelo INSEAD (França). Possui ainda Pós-Graduações da ISEE / Universidade de Navarra (Espanha), do MIT (Sloan School of Management US) e da Singularity University (US) – Exponential Medicine.

De 1991 a 1997, foi CIO da Sonae Distribuição, o maior retalhista português na altura. Cofundou e foi CEO da Enabler a partir de 1998, empresa integradora de sistemas de informação focada em retalho. A Enabler foi adquirida pela Wipro em 2006 e, desde então, até o final de 2009, foi VP de serviços de Retail da Wipro.

Foi também Sócio Fundador e Business Angel de várias empresas de TI e MedTech. É CoPresidente do Comité de Angariação de Fundos da Universidade do Minho, Membro do Conselho Consultivo da Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho, Membro do Advisory Board do INL, Membro do Advisory Board do INESC TEC, Membro do Conselho Consultivo do Programa Corporativo Grow do Grupo Mello, Membro da Comissão de Avaliação do Curso de Medicina da Escola de Medicina da UM e Membro do Conselho Estratégico da VdA, Vieira de Almeida Sociedade de Advogados. É também orador sobre temas da Inovação de base Científico-Tecnológica e de Transferência de Tecnologia.

 

 

 

 

 

 

João Barros

ver apresentação

Um engenheiro de redes de telecomunicações premiado, líder académico e empreendedor apaixonado, o João adora transformar teoremas e algoritmos complexos em produtos e serviços que possam fazer a diferença na vida das pessoas.

Após mais de uma década a desenvolver novas tecnologias de rede sem fios na Universidade Técnica de Munique, na Universidade do Porto, no MIT e em Carnegie Mellon, o João fundou duas startups financiadas com base em capitais de risco, Streambolico e Veniam, desempenhando o papel de Presidente e CEO respetivamente. O seu trabalho resultou em 160 artigos científicos, assim como em artigos de fundo pela NPR, BBC, MIT Technology Review, The Atlantic e TechCrunch.

João Barros recebeu vários prémios, incluindo, em 2010, o Prémio Jovem Investigador para a Europa, Médio Oriente e África da Sociedades de Comunicações do IEEE, o Prémio atribuído em 2011 conjuntamente pelas Sociedades de Teoria da Informação e Comunicações do IEEE, em 2012 o Prémio Nacional de Inovação BES, em 2013 o Prémio Building Global Innovators Grand Prize (ISCTE-IUL e MIT) e um prémio pelo melhor ensino a nível de estado, pelo Ministério da Ciência, da Investigação e das Artes do Estado da Baviera.

João Barros é doutorado em Engenharia Eletrotécnica e Tecnologias da Informação pela Universidade Técnica de Munique é licenciado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores pela Universidade do Porto, e pela Universidade de Karlsruhe e possui um diploma em artes performativas em flauta pelo Conservatório de Música do Porto.

Yi-ke Guo

Yi-ke Guo é Professor de Ciências da Computação no Departamento de Computação no Imperial College de Londres. É fundador e diretor do Data Science Institute no Imperial College, liderando também o Discovery Science Group do Imperial College. O Professor Guo é diretor técnico (CTO) da Fundação tranSMART, uma comunidade global open source que utiliza e desenvolve tecnologia para a partilha e análise de dados para a medicina de translação.

Yi-ke Guo licenciou-se com distinção em Ciências da Computação pela Universidade Tsinghua, China, em 1985 e doutorou-se em Lógica Computacional pelo Imperial College em 1993 sob a orientação do Professor John Darlington. Fundou a InforSense, uma empresa de software para a análise de dados na área da saúde e, durante anos, presidiu antes da fusão da empresa com a IDBS, um fornecedor de software de I&D avançada em 2009.

Tem trabalhado em tecnologia e plataformas para a análise de dados científicos desde meados dos anos 90, focando a sua investigação na extração de conhecimento, data mining e gestão de dados de grande escala. Contribuiu para vários projetos de investigação importantes incluindo: o projeto Discovery Net da plataforma britânica EPSRC; o projecto BAIR (Biological Atlas of Insulin Resistance) fundado pelo Wellcome Trust; e o projeto U-BIOPRED da Comissão Europeia. Atualmente, é o Investigador Principal do projeto eTRIKS da Iniciativa europeia sobre Medicamentos Inovadores (IMI), um projeto de 23 milhões de euros que está a criar uma plataforma informática baseada em nuvem, onde a tranSMART desempenha um elemento crucial para a investigação médica em genómica clínica. É co-investigador do Digital City Exchange, um programa de investigação de 5,9 milhões de libras que explora maneiras de ligar digitalmente fornecedores de serviços dentro das cidades inteligentes.

Yi-ke Guo publicou mais de 200 artigos, trabalhos e relatórios. Os projetos para os quais contribuiu foram internacionalmente reconhecidos, tendo ganho o prémio “Most Innovative Data Intensive Application” na conferência Supercomputing de 2002 pelo projeto Discovery Net, e ainda o prémio pelas melhores práticas da Bio-IT World pelo projeto U-BIOPRED em 2014. É membro sénior do IEEE e é membro da British Computer Society.

Manuel Carvalho

Nasceu em Alijó, Alto Douro e estudou na extinta Escola Normal do Porto tendo, mais tarde, obtido a licenciatura em História, na FLUP

Fez parte do grupo de estagiários que integraram a primeira redação do PÚBLICO, no final de 1989 e durante quase uma década trabalhou na área da Economia, tendo recebido vários prémios de jornalismo desta área.

Foi grande repórter do Diário Económico e regressou ao PÚBLICO em 1999 onde, além de grande repórter, colaborou no lançamento da Fugas. Integrou a direção do jornal entre 2000 e 2013 altura em que passou a Redator Principal tendo iniciado uma coluna de opinião semanal, a “Memória Futura”. Escreveu sobre muitos temas, principalmente nas áreas da economia associadas ao desenvolvimento regional, à indústria e à agricultura e recebeu o Prémio Gazeta de Imprensa, em 2014, por uma série de reportagens sobre a I Guerra Mundial em Moçambique feitas com o fotojornalista Manuel Roberto.

Em julho de 2018 assumiu a direção do PÚBLICO.